Lion: Uma Jornada para casa | Leia a nossa Crítica

0
66

O filme Lion: Uma Jornada para Casa (2016), de Garth Davies, tem uma narrativa emocionante e a transmite, sempre mantendo a relação de empatia entre os espectadores e a personagem principal. Baseia-se em fatos reais e narra a trajetória do menino indiano de cinco anos, Saroo (Sunny Pawar), que vai com seu irmão mais velho, Guddu (Abhishek Bharate), até a estação de trem, onde este pegaria um para trabalhar, com a ajuda daquele. Saroo se sente cansado e dorme no banco, onde o seu irmão viria chamá-lo mais tarde. Porém, Saroo acorda e está sozinho na estação e, por medo, entra em um trem onde passa a noite. Na manhã do próximo dia, o veículo parte, com o menino dentro, que grita e pede por ajuda, sem porém ter nenhuma repercussão, tanto por estar sozinho, quanto por contar apenas com a indiferença das pessoas que estão do lado de fora; e, desta forma, Saroo faz uma viagem que dura até Calcutá, a 1600 quilômetros de sua casa.

A primeira parte do filme destina-se a narrar as dificuldades que o menino enfrenta, perdido pelas ruas, sem falar Bengali, que é o idioma da região, tendo dificuldades para cuidar de sua própria subsistência e dormindo nas ruas. Posteriormente, é retratada a vida do adulto Saroo (Dev Patel), na Austrália, vivendo o oposto do que passava antes, ainda com a necessidade de voltar para sua casa, reencontrar sua família, o que gera nele um sentimento de ausência de um lugar, uma nação e, até uma identidade. O filme, tal qual a Odisseia de Homero, propõe uma viagem e um caminho de busca, em torno do qual se dá a construção da personagem principal. Saroo, na busca de sua família em sua viagem é levado sempre para mais distante dela fisicamente e mais próximo em pensamento, tornando-se uma busca constante em sua vida, que muito se refere ao que ele mesmo é e descobre sobre si e as pessoas que o cercam, ao longo de sua procura. Assim como Odisseu, que fica dez anos distante de sua família, após a Guerra de Troia, parando em diversos lugares, sendo modificado por eles, mas mantendo viva a esperança de que sua esposa Penélope e seu filho Telêmaco o esperam em Ítaca, sua terra.

A Odisseia de Saroo, que tem vinte e cinco anos de duração, se constrói em torno do desejo de rever sua mãe, Kamla (Priyanka Bose) e seu irmão e da ansiedade cada vez maior de não encontrar mais sua casa como era antes. Situada em um lugar de nome desconhecido pelas pessoas em todos os lugares de sua jornada, sua cidade se torna, cada vez mais, um objeto incerto de idealização, que ele busca com mais constância conforme o tempo vai transcorrendo. Sua família se torna, também, o principal motivo de sua resistência às adversidades, principalmente em sua infância, assim como Ítaca na obra de Homero, possibilitando a Garth Davies a ampla utilização de flashbacks no filme, que povoam a mente da personagem principal, que sempre reafirma para si as imagens de lugares e pessoas queridas. A construção visual do filme, tanto no que se refere à fotografia, feita por Greig Fraser, quanto à ordenação dos planos na decupagem, contribuem para esta relação entre a visão própria de Saroo e a realidade, que sempre vê em seu cotidiano comparações com sua mãe e com Guddu.

Os planos mais abertos são utilizados no começo do filme, que se passa na Índia, podendo se comparar à visão do menino em relação ao mundo, à vastidão deste que impossibilitava o reencontro com a família, aos sonhos e o idealismo partilhados com o irmão, que o guiam ao longo de sua jornada, e às próprias incertezas de uma criança, frente a um futuro muito complicado. Posteriormente, na Austrália, os planos são mais fechados, retratando as relações de Saroo, transmitindo para o espectador a sensação de centralização nos próprios ideais e opressão por um ambiente externo, que não se relaciona completamente com o interno; a personagem sente-se fora deste contexto, por não ter resolvido ainda uma questão que era básica para si, relativa a seu mundo anterior.

O roteiro filme foi adaptado por Luke Davies da obra de Saroo Brierley, que narra sua estória no livro A Long Way Home, em que estão descritos os acontecimentos verídicos que serviram de base para o filme. Além disto, a obra conta com as atuações de Nicole Kidman, que foi indicada ao Oscar de melhor atriz coadjuvante com o papel, David Wenham, Rooney Mara e Divian Ladwa. Patel treinara o sotaque australiano para o filme ao longo de oito meses, para que pudesse compor a personagem. O ator também recebeu uma indicação ao Oscar. Além deles, a realização foi indicada para melhor fotografia, melhor roteiro adaptado, melhor filme e melhor trilha sonora composta para a obra. O filme trouxe a este acontecimento verídico uma grande visibilidade e contou com a empatia dos espectadores com o acontecimento na vida de Saroo e com o reconhecimento da própria realização, em si.

Resumo
Lion: Uma Jornada para casa
Julhia Quadros
Com experiências prévias com Dança, que pratica há quinze anos, e Poesia, com algumas obras publicadas em livros, estuda cinema é amante de música, teatro e todos os tipos de artes. Gosta de escrever como uma contribuição ideológica para o mundo e busca, com os seus textos, trazer um novo olhar para os filmes abordados através de sua opinião.