O obra O Dia do Atentado, de Peter Berg narra os atentados terroristas acontecidos na Maratona de Boston em 2013 e a perseguição policial aos autores do crime. O ocorrido foi real e deixou duzentos e trinta e quatro feridos e três mortos no dia quinze de abril deste ano; parte da intensidade da narrativa do filme conta com a consciência constante da veracidade dos fatos, da justificativa com dados técnicos como horários e datas e a presença constante de imagens de arquivo, que surgem ao longo do filme para remontar os acontecimentos, criando uma maior identificação dos espectadores com as personagens. Desta forma, o filme faz do ocorrido um suspense,em que são narradas as horas seguintes aos atentados e a tentativa de fuga dos irmãos Dzhokar e Tamerlan Tsarnev.

Com a fotografia de Tobias A. Schliessler, o filme utiliza muitos planos detalhe para narrar as cenas de ação, valorizando cada elemento de acontecidos e permitindo a quem assiste ter uma noção geral composta por diversas partes, conferindo maior dramaticidade às tragédias e às perseguições, suspense em relação aos fatos, que envolvem o público no que acontece durante o filme.

Entremeadas com imagens de câmeras de segurança, o relato fílmico é capaz de criar uma atmosfera narrativa interessante, ao mesmo tempo que traz uma relação direta com o ocorrido, em si. A montagem de Gabriel Fleming e Colby Parker Jr. trabalha muito com o conceito de Montagem Paralela, presente nos filmes do cineasta David Griffith realizados na década 1910, que foi desenvolvido ao longo do aprimoramento que estabeleceu os padrões clássicos de decupagem cinematográfica; a presença disto se torna evidente nas diversas ações que acontecem simultaneamente, que culminam em um acontecimento em comum. Os montadores trouxeram personagens e situações distintas em um mesmo momento ao longo do filme, o que contribuiu para o suspense e a expectativa de que, em algum momento a perseguição se resolvesse. Ao vermos as pessoas se preparando para ir à Maratona, com finalidades completamente diferentes, podemos criar expectativas ao ter um vislumbre de suas intenções, inclusive as dos terroristas. Isto se dá ao longo de toda a obra, o que permite uma visão sobre os diversos acontecimentos que tiveram relação com o tema retratado.

Resultado da união entre dois roteiros “Boston Strong”, que tinha enfoque na ação e “Patriots Day”, um drama, o filme narra, principalmente cada reação das pessoas envolvidas, trazendo uma narrativa mais pessoal, demonstrando como cada um dos fatos influencia na vida das personagens retratadas. O elenco conta com Mark Wahlberg, Kevin Bacon, John Goodman, J.K. SimmonsMichelle Monaghan, Alex Wolff, entre outros, que dão vida às muitas pessoas envolvidas na situação que se passara neste ano em Boston. Desta forma, o filme é capaz de encantar e trazer uma nova visão sobre o atentado, proposta pelo cineasta.

O dia do atentado

Para o espectador, acredita-se que este filme, narrado nos padrões do cinema clássico-narrativo, possa contribuir com maiores reflexões sobre o episódio e a possibilidade de se emocionar com diversas ocasiões da vida. É um filme que propõe interpretações positivas e pensamentos capazes de contornar a dor de um momento; traz uma tragédia, desta dor, desenvolve-se uma raiva coletiva, desta raiva, surge a coragem para retomar a vida e encarar o mundo após os acontecimentos tristes.

O público encontrará na obra emoções e acontecimentos que possibilitarão uma experiência eletrizante e reflexiva. É um retrato interessante sobre as reações humanas às situações extremas.

 

Resumo
O Dia do Atentado
Julhia Quadros
Com experiências prévias com Dança, que pratica há quinze anos, e Poesia, com algumas obras publicadas em livros, estuda cinema é amante de música, teatro e todos os tipos de artes. Gosta de escrever como uma contribuição ideológica para o mundo e busca, com os seus textos, trazer um novo olhar para os filmes abordados através de sua opinião.